O centro da cidade é o ponto de partida para entender o Rio Histórico. A região dp Castelo e da Praça Quinze foi a primeira a ser povoada e um percuso obrigatório inclui o Paço Imperial; as igrejas de São José, do Carmo e da Candelária; o Palácio Tiradentes; ruas da Alfândega, do Ouvidor e travessas históricas; o Arco do Teles, no Largo do Paço, onde há diversos bares para happy-hour; e os prédios do Centro Cultural do Banco do Brasil e da Casa França Brasil. A avenida Rio Branco é a espinha dorsal do centro, começando na Praça Mauá e se estendendo até a Cinelândia, onde se pode visitar o Theatro Municipal, a Bibioteca Nacional e o Museu Nacional de Belas Artes. A Praça Tiradentes e os Arcos da Lapa guardam história em seus arredores.

A avenida Rio Branco é a espina dorsal do centro, começando na Praça Mauá e se estendendo até a Cinelândia, onde se pode visitar o Theatro Municipal, Biblioteca Nacional e o Museu Nacional de Belas Artes. A Praça Tiradentes e os Arcos da Lapa guardam história em seus arredores.

Além do centro, há diversas outras regiões ou monumentos históricos. Da Quinta da Boa Vista, com o Museu Nacional, à Ilha Fiscal, sede do último baile do Império; dos fortes e fortalezas, como os do Leme, Copacabana e São João, a monumentos modernos, como o Maracanã ou a ponte Rio-Niterói; de conjuntos de casarios, como o Largo do Boticário, e de Santa Teresa, a construção majestosas, como o Hotel Copacabana Palace ou mesmo prédios de apartamentos que são exemplos bem conservados de arquitetura art-deco. O Rio de Janeiro é um museu a céu aberto.