Campo de Santana - No século XVII havia no local somente pântanos e areia com ervas rasteiras e cajueiros. Em meados do mesmo século recebia o nome de Campo de São Domingos, em homenagem à capela construída para reverenciar São Domingos de Gusmão. Só em 1735 recebeu o atual nome em homenagem à mãe da Virgem Maria, Sant’Ana, passando por outras nomenclaturas até que, em 15 de novembro de 1889, quando o marechal Deodoro da Fonseca proclamou a República, recebeu a denominação de Praça da República. São quatro portões de entrada para atingir a praça que ocupa uma área de 155 mil e 200 metros quadrados, com 50 espécies arbóreas, gramados, quatro lagos e uma gruta, num projeto do paisagista francês Auguste Marie Glaziou. Lá vivem fora do cativeiro cotias, gansos, marrecos, patos, pavões e sagüis, além de outras espécies de aves que convivem em plena harmonia com os visitantes.

Floresta da Tijuca - Localizada no coração da cidade, a poucos minutos da maior parte dos bairros do Rio, a maior floresta urbana do mundo replantada pelo homem, com cerca de 3.200 hectares, tem a grande vantagem de mesclar centenas de espécies da fauna e da flora só encontradas na Mata Atlântica. A Floresta da Tijuca possui recantos e atrativos históricos que merecem ser visitados, como: a Cascatinha, a Capela Mayrink, o Mirante Excelsior, o Barracão, a Gruta Paulo e Virgínia, o Lago das Fadas, a Vista Chinesa e o Açude da Solidão, pontos freqüentados por famílias inteiras nos fins de semana.

Jardim Botânico - Um verdadeiro santuário ecológico. Assim pode ser definido o Jardim Botânico do Rio de Janeiro, um dos dez mais importantes do gênero no mundo, que além de abrigar as mais raras espécies de plantas da flora brasileira e de outros países, é uma ótima opção de lazer para crianças e adultos e um deleite para aqueles que querem contemplar a natureza.

Parque do Flamengo - O Parque Brigadeiro Eduardo Gomes, conhecido como Aterro do Flamengo, possui 1.200.000m² de área verde à beira-mar,com arbustos floridos, uma profusão de árvores, compondo uma das mais visitadas e belas áreas de lazer da cidade. Do Aeroporto Santos Dumont a Enseada de Botafogo, o parque oferece as mais diversas atrações. Um roteiro interessante, por exemplo, pode ser iniciado no Museu de Arte Moderna, passando-se para o Monumento aos Pracinhas, a Marina da Glória, o Museu Carmem Miranda. Um espetáculo interessante é a troca da guarda promovida pelas três Forças Armadas, sempre no primeiro domingo de cada mês, no Monumento dos Pracinhas. Também aos domingos e feriados o Aterro e suas pistas de rolamento ficam inteiramente liberados ao público, que aproveita para se dedicar às mais variadas formas de lazer.

Parque Lage - Projetado inicialmente pelo paisagista inglês John Tyndale em 1840 ao gosto dos jardins românticos, foi parcialmente reformulado, nas décadas de 1920-30 e 1930-40, principalmente o trecho à direita, quando seu proprietário, o industrial Henrique Lage, mandou edificar nova residência, em substituição à que fora de seu pai, Antônio Martins Lage. Esta casa, que tem ao centro, pátio com piscina, possui pórtico saliente na fachada principal e é completamente revestida de cantaria. Enquadra-se no período artístico denominado eclético. Os jardins que a ladeiam são organizados de forma geométrica e apresentam áreas amplas desprovidas de arborização mais exuberante, certamente resultado das obras contemporâneas da edificação da casa. Entre os atrativos do parque, podemos destacar o aquário construído em argamassa imitando rochas e troncos de árvores, as pontes, bancos e quiosques próximos ao lago que são representações construídas da natureza e a gruta, também, artística. Os caminhos de saibro levam o visitante a recantos com vasta vegetação e entremeado das construções citadas e há acesso de um mirante situado próxima a cerca de 0.50m de altura, onde há um lago conhecido como o lago dos patos. Para aqueles que trazem crianças ao parque, este dispõe de equipamentos infantis, como, balanço e escorrega e aos que desejarem participar de caminhadas ecológicas, o parque tem uma trilha aberta que atinge o Corcovado.

Parque Natural da Catacumba - O parque exibe esculturas de artistas plásticos de renome internacional como Roberto Moriconi, Bruno Giorgi e Caribé. Além de contemplar essas obras de arte, o visitante pode se aventurar a uma caminhada de 20 minutos por trilha de 350 metros, sinalizada, até o mirante do Sacopã onde a vista espetacular é garantida no topo de seus 130 metros de altura.

Passeio Público - Localizado no Centro histórico do Rio de Janeiro, entre a Lapa e a Cinelândia, o Passeio Público é o primeiro parque ajardinado do Brasil, e foi concebido por um dos maiores artistas do período colonial brasileiro: Mestre Valentim da Fonseca e Silva. Construído em 1783, o Passeio Público foi o grande ponto de encontro da população carioca nos séculos XVIII e XIX. Em seu interior podia-se contemplar, além de variadas espécies da flora nacional, obras de arte confeccionadas por Mestre Valentim, como chafarizes, esculturas e pirâmides.

Quinta da Boa Vista - O parque faz parte do Solar da Boa Vista, residência real e dos imperadores do Brasil de 1822 e 1889, quando foi proclamada a República. Possui uma área de 155 mil metros quadrados, ajardinada em 1869 segundo projeto do paisagista francês Auguste Glaziou. O visitante, ao entrar pelos portões laterais, percorre a Alameda das Sapucaias, ladeada por estas árvores, e percorre o traçado romântico criado pelo paisagista, que ainda conta com lagos, grutas e recantos nos seus jardins imperiais.