O prédio onde se encontra instalado o Museu foi erguido no século XIX e fazia parte da denominada chácara do Morro Queimado, transformada em fazenda de café, de propriedade do Marquês de São Vicente. Em 1887 foi adquirida pelo Conde de Santa Marinha que lhe deu as feições atuais. O Museu descreve a cidade do Rio de Janeiro desde sua fundação em 1565, até meados do século XX, destacando as principais transformações urbanísticas ocorridas em seu centro histórico. Com cerca de 17.000 peças, o acervo caracteriza-se como um importante núcleo iconográfico sobre a cidade, composto por artistas como Taunay, GrandJean de Montigny, Glaziou, Visconti, Bertichen, Stallone, além de mobiliário e fotografias.

L'edificio dove si incontra il Museo fu elevato di secolo XIX ed esso era parte della piccola fattoria denominata dello Scottò Collina, trasformata in piantagione di caffè, di proprietà di São Vicente Marquês. Nel 1887 fu acquisito da Santo Marittimo Conde che ha dato le caratteristiche correnti. Il Museo descrive la città di Rio de Janeiro da fondazione di nel 1565, liberando le trasformazioni di pianificazioni di città principali del centro storico. Con approssimativamente 17.000 pezzi, la raccolta è caratterizzata come un importante nucleo icnografico della città.

Built in the XIX century, the mansion housing the City History Museum is set in what was once the Morro Queimado coffee plantation, owned by the Marquis of São Vicente. In 1887, it was acquired by the Count of Santa Marinha who redecorated it in its current style. This Museum portrays Rio de Janeiro from its founding in 1565 to the mid-XX century, highlighting the sweeping urban transformations that changed the face of the city. Its permanent collection of some 17,000 items is a major iconographic benchmark, featuring furniture, photographs and paintings by many well-known artists.